Amor e unidade

Amor e unidade

 por Isaías Cunha

Pastor da Igreja Verbo da Vida no Distrito em Campina Grande-PB

O amor não fica travado com ninguém!

Em João 3.16 está escrito “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. Dentro desse trecho gostaria de destacar as palavras “de tal maneira”que querem dizer que não existe cálculo matemático possível de traduzir a magnitude desse amor. Sendo assim, temos aqui uma lição: O amor ama primeiro, ele toma iniciativa. Por isso, não espere alguém te amar, ame primeiro e sem ficar computando se será retribuído.

Quando falamos de amor, queremos colocar a responsabilidade em outra pessoa, mas a responsabilidade é nossa. Talvez você pense que essa não é uma palavra voltada para sua vida, contudo, vamos para igreja cultuar ao Senhor e não cultuar as nossas vontades. Então, anime-se a viver de tal maneira. Ame de tal maneira. Leia a Palavra de tal maneira. Busque ao Senhor de tal maneira, aprenda a cultuá-lo de tal maneira. Dê o seu louvor de tal maneira. Jesus foi a personificação do amor, Deus é amor, e Ele veio representar o Pai. Na lei a referência de amor era amar o próximo como a si mesmo, todavia, a Nova Aliança mudou o referencial para amar como o Pai nos amou, nos tornando capazes de fazer o mesmo.

Jesus escolheu 12 discípulos, ele consultou ao Pai e, dentro desses escolhidos, havia um traidor. Jesus errou na escolha dos 12? Não. Ele escolheu certo, quem escolheu errado foi Judas. Em João 6.64 está escrito que “Contudo, há alguns de vocês que não creem. Pois Jesus sabia desde o princípio quais deles não criam e quem o iria trair, ou seja, Jesus conviveu com o traidor sabendo quem ele era. Será que agiríamos do mesmo modo?

Vemos por essa passagem que o amor sempre vai acreditar que alguém pode mudar e sair do erro para o acerto. Esse é o amor de tal maneira.

Em Mateus 26.49-50 fala que “E logo, aproximando-se de Jesus, disse: Eu te saúdo, Rabi; e beijou-o. Jesus, porém, lhe disse: Amigo, a que vieste? Então, aproximando-se eles, lançaram mão de Jesus, e o prenderam”. Nesse ponto vemos que o amor não se ressente do mal, por isso, Jesus não se ressentiu de Judas, ao ponto de chamá-lo de amigo.

Uma das facetas do amor é a compaixão, ela não elimina a consequência, nem compactua com o erro, mas sente o pesar e não vibra por aquilo está acontecendo. Tudo porque o amor não sabe fazer diferente. É verdade que Judas escolheu errado, mas isso não afetou a essência de Jesus e nem fez com que Ele agisse na carne. Pois o amor constrange. O amor não é falso. Ações contrárias a essas são mundanas.

Lucas 22.31-34 demonstra que o amor é zeloso, pois está escrito “Simão, Simão, Satanás pediu vocês para peneirá-los como trigo. Mas eu orei por você, para que a sua fé não desfaleça. E, quando você se converter, fortaleça os seus irmãos. Porém ele respondeu: Estou pronto para ir contigo para a prisão e para a morte. Respondeu Jesus: Eu digo, Pedro, que antes que o galo cante hoje, três vezes você negará que me conhece”.

Vemos que Jesus rogou a Deus por Pedro, porque o amor se antecipa para orar. Às vezes tem pessoas no corpo de Cristo indiferente com outros por pouca coisa, coisinhas bem pequenas. Todavia, o amor não age assim. Em Lucas 22.60-61 se cumpre o que Jesus havia falado para Pedro, e ele o nega. Mas Jesus não olhou para seu discípulo e disse “bem que eu te disse que isso aconteceria”, somente olhou e ele lembrou-se. O amor não precisa passar nada na cara, ao contrário, ele leva ao arrependimento. O mais interessante é que depois de tudo isso, em João 21.15, vemos Jesus dando um cargo a Pedro, isso traz a tona que o amor acredita sempre. Por vezes alguém erra conosco e já o classificamos de maneira ruim, porém vemos nessa passagem que o amor não exclui ninguém, ele inclui e cria novas chances.

O Livro de João no capítulo 8, versículos 5 a 7 mostra outra faceta do amor: A justiça. Quem é você para trazer juízo ou ser o juiz de alguém? Já existe um juiz, não tome um lugar que não é seu. O amor não julga, abre espaço para o juiz julgar. Então, se avalie antes de julgar as pessoas, até porque, quando erramos queremos misericórdia e compaixão.

Muitas pessoas argumentam que estão desistindo, porque outros estão se corrompendo. Mas você já leu a Bíblia? Viu casos como o de Davi, ao adulterar? Então, deveria ter desistido há muito tempo, pois essas coisas sempre existiram. Isso não pode ser desculpa para leviandade, Jesus era firme independente dos escândalos de sua época. O amor sentencia a hipocrisia, reprova, não aceita, não compactua com algumas posturas, mas ainda é amor.

Ainda nas escrituras, a primeira epístola de João, no capítulo 4, versículos 10 a 11 revela que podemos amar de tal maneira. Como o amor age e reage. O amor exorta para levantar e não para destruir. Enquanto pensamos: “É a minha vez?” Ficaremos no mesmo canto. O amor promove talentos e não fica com medo de perder os cargos. Vamos crescer Igreja! Muitos milagres não têm acontecido por conta da inveja. O amor pensa o melhor dos outros, é claro que não podemos impedir que o pensamento venha, porém podemos barrar sua permanência em nossa mente. Mude a atitude do coração e as coisas vão começar a acontecer.

Diante disso, vemos que o amor do tipo de Deus não fica jamais travado com ninguém, antes, ama de tal maneira que não tem tempo para posturas carnais.

Fonte: verbodavida.org.br

Comentários com o Facebook

Você também pode gostar de:

Verbo Sede realizou a 1° Conferência de Família, em Campina Grande-PB

261 A base para qualquer obra de Deus